Pollyana - Eu ja li | Resenha | Livro

Iniciei a maratona de inverno tentando ler os livros que selecionei e esperançosa de adiantar bastante minhas leituras do ano, MAS eu fiquei doente e com isso passei muitos dias sem ler e com isso veio o desânimo de tudo. Desânimo de ler, de postar no blog, desânimo de gravar vídeos e editar, desânimo de aparecer no instagram e interagir com todo mundo... mas felizmente desânimos passam né? E então eu consegui terminar de ler esse livrinho maravilhoso que me ensinou coisas muito boas e que eu vou tentar repassar para vocês, mesmo sem dar spoilers... só pra te passar a vontade de ler.

Para começar, como de costume, vou fazer um resumo e depois eu vou dar minha opinião e vou falar sobre aspectos físicos do livro.
Ah, essa imagem aqui abaixo foi a postagem que fiz no instagram do blog, assim que terminei de ler. Se você gosta de instagram e de acompanhar o blog, entra lá e segue que assim que termino de ler livros eu já posto lá e faço mini resenhas.


Entre minhas idas e vindas no blog, nesse Instagram e da maneira que minha vida vem andando ultimamente, consegui terminar esse livrinho. Ele é pequeno, mas maravilhoso. Esse clássico de Eleanor H. Porter conta a estória de Poliana, uma garotinha que ficou órfã e teve que ser adotada pela tia. A tia, carrancuda e muito presa ao "dever" sem se importar com os prazeres da vida, a trouxe por obrigação, dando um quarto ruim para a garota e sendo rude. O grande ponto do livro é que a menina Poliana sabia de um jogo chamado "jogo do contente" onde você em meio aos problemas da vida consegue encontrar um meio para ficar contente. A menina contagiou Nancy, a empregada da casa, Tomás, O jardineiro e também o resto de toda a cidade, ensinando a todos o jogo do contente e mostrando que mesmo em meio a qualquer que seja o problema, é possível achar algo para se alegrar. Amanhã vai ter uma resenha mais completa desse livro no blog e eu espero que vocês leiam. Como eu disse essa semana estou voltando com tudo. Obrigada pela paciência e espero que tenham uma boa semana!
Uma publicação compartilhada por A beleza da Simplicidade (@abelezadasimplicidade) em


Resumo:

O livro conta a estória de Pollyana (no livro que li era um "Poliana" simples, sem dois lls e sem o y, mas o original se escreve Pollyana), uma menina que perdeu a mãe cedo, os irmãos também e que o pai tinha falecido há pouco. Ela viveu por um tempo em uma Casa Auxiliadora, onde era cuidada até que o governo ordenou que a tia Paulina que ela cuidasse de Pollyana. A menina da alegria infinita, que procura ver o que tem de bom em tudo irrita a tia a princípio com tanta positividade.
A menina tenta ensinar o "jogo do contente" - jogo que aprendeu com seu pai que consiste em pegar todas as situações ruins e encontrar algo nelas para ficar contente - mas a tia proibiu ela de falar no nome do pai e proibiu ela de falar sobre esse tal de contente perto dela. A menina obedeceu, mesmo tendo ficado em um quarto ruim, quente e velho, mesmo a tia tendo enchido ela de tarefas e afazeres para ocupar o tempo e cumprir o dever, ela continuou contente e levou alegria para todos da cidade. Começou devagar, com Nancy, a empregada da casa. Depois ensinou a Tomás, ensinou à senhora Snow - uma senhora inválida que tinha a fama de estar sempre insatisfeita com qualquer coisa, quando recebia determinada coisas dizia que preferia outra e quando recebia a outra queria outra ainda... mas a menina conversou com ela, penteou os cabelos dela, conquistou ela e foi um bom remédio para o pessimismo da senhora. Sem falar no senhor Pendleton, um senhor carrancudo e avarento que logo também foi conquistado pela menina, assim como toda a cidade. 
A menina passa por uns problemas no livro e enfim... será que ela venceu os problemas? Será que ela conseguiu mesmo assim ficar contente? LEIA!

Opinião:
Eu particularmente, amei! 
Eu inclusive preciso dizer que AMO livros que tem como protagonista crianças. As crianças tem imaginações e inocências que fazem tudo ficar mais interessante e nos dá mais lições de vida do que qualquer auto-ajuda que se possa ler (inclusive não tenho nada contra auto-ajuda... até leio se aparecer algum que me interessar ou se eu sentir que preciso) mas não tem nada melhor do que aprender com crianças em livros.

Pollyana era filha de um missionário que dedicou a vida a ajudar pessoas e tentar transmitir alegria ao máximo de pessoas possíveis. Em uma parte do livro Pollyana conta ao reverendo (um senhor que só dava palavras de exortação - coisa que é necessária, mas que não pode ser a única pregação) que o pai dela pesquisou na bíblia e encontrou 800 passagens que dizem que devemos nos alegrar, que diz que somos bem aventurados, que fala sobre se alegrar no geral... e então o reverendo mudou sua pregação e atingiu bem mais pessoas e isso fez bem a todos. Eu achei tão legal, gostei tanto... as vezes a gente só sabe reclamar na vida, mas tem tanta coisa boa para se alegrar, para se sentir bem! É uma escolha.
Vamos todos jogar o jogo do contente?
Eu começo!

Eu fiquei muito chateada e desanimada que fiquei doente, mas em compensação eu perdi três quilos! E agora estou cheia de ideias para voltar aqui! 
E vocês? Contem aí sobre o que vocês podem se alegrar, mesmo que tudo esteja aparentemente desmoronando.
Não esqueçam que de fato, sempre há algo para se alegrar e principalmente o melhor de tudo é que tudo passa. Tudo de ruim um dia passa! Jesus cuida de vocês então se alegrem! Comida, roupa, internet, família, ar nos pulmões, amigos, lugar para dormir, cabelos na cabeça, partes do corpo perfeitas, visão, audição, as unhas, os cílios, dentes, as articulações, pescoço, tantas coisas!!


Aspectos Físicos: 

A edição que li foi uma edição de bolso. Eu antigamente só comprava edições normais, brochura, bolso jamaaaais! MAS hoje em dia eu sou mais humilde (estou desempregada) e comprei alguns clássicos em edição de bolso (mas com o texto completo).


Os pontos positivos dessa edição são... só que ele é leve e pequeno.. mais fácil de levar para os cantos e ler. Ah, ele tem páginas amareladas também, o que é melhor para minha vista.
Os pontos negativos são que ele não tem orelha, então ele facilmente fica com as pontas levantadas.

A edição que eu recomendo é essa abaixo, que eu já vi em livrarias e é perfeita.

Ainda falta ler o Pollyana Moça, mas quando eu ler vocês vão ficar sabendo por aqui!

Eu dei 5 estrelas para esse livro!


Espero que tenham gostado da resenha e vamos ser contentes juntos! 😁😁

0 comentários:

Deixe seu comentário

Deixe aqui seu comentário! o/

P.S.:¹ Leia o post antes de comentar :D
P.S.:² Seja sempre respeitoso e educado, ou seu comentário será removido. :B