Lembranças da Soph...

Olá! Voltei! Vocês não lembram de mim? Qualé, nem faz tanto tempo assim que eu fiz meu primeiro desabafo aqui! Se você não viu ainda, clica AQUI e vai ler lá, depois você vem aqui de novo e termina essa leitura!

Quando eu tinha 6 anos de idade, no exato dia do meu aniversário, eu olhei para minha mãe e disse "Não precisa mais me colocar pra dormir, mãe. Eu sou já sou grande, já tenho 6 anos e não tenho mais medo do escuro!" Minha mãe sorriu, afagou meus cabelos, deu um beijo em minha teste e me deixou dormir sozinha. Eu estava cansada, não demorei muito a dormir, mas o pequeno tempo que passei tentando dormir logo, não foi legal. Eu não tinha medo DO ESCURO, eu tinha medo do que se escondia nele. Ou do que poderia se esconder nele. Mesmo com 6 anos eu já tinha escutado muitas estórias (ou histórias, não sei, quem sou eu pra julgar!) de pessoas que passaram por situações aterrorizantes no escuro, por isso eu não simpatizava com ele. Mas o que mais me chamou a atenção foi o sorrisinho que minha mãe deu antes de sair do quarto. Eu achava que ela tinha apenas achado minha atitude bonitinha, mas na verdade ela sorriu de minha ingenuidade.


Quando a gente é criança quer crescer logo. Eu nunca me importei se estava demorando muito pra crescer ou não. Não me importava se estava chegando meu aniversário porque nunca tinha festa mesmo. No máximo se fazia um bolinho pra tomar com coca-cola. Nada de presentes, nada de chamar os amiguinhos. Não sou frustrada por isso, longe disso!! Eu fico feliz pois nunca me frustro quando meus amigos não me dão nada de aniversário, porque eu já não espero nada. Aniversário pra mim era só ficar mais velha e agradecer a Deus por mais um ano de vida. Ponto.
Mas, voltando, o sorrisinho da minha mãe foi porque ela viu que eu pensava que já era grande, mas na verdade eu não sabia do que viria pela frente. Eu não sabia o que era ser uma adolescente irritada, frustrada, não sabia o que era o ensino médio e todas as físicas e químicas da vida. Eu não fazia ideia do estresse que os professores nos proporcionam no terceiro ano para passar no vestibular e muito menos o que era estar na faculdade. Eu não sabia o que era ter que trabalhar e estudar. Por isso que ela sorriu. E eu sinto falta daquele escuro, que agora apenas me confortaria. Sinto falta daquele dia em que completei seis aninhos e pensava que era grande! Sinto falta de ingenuidade e de não saber o que é de fato crescer. Mas eu sou feliz. Crescer é preciso né? A gente não pode parar no tempo e apesar de todas as dificuldades da vida, eu também tive muitas alegrias. E terei muitas mais, apesar de todas as guerras, sempre há vitórias!
Então, sigamos em frente!


0 comentários:

Deixe seu comentário

Deixe aqui seu comentário! o/

P.S.:¹ Leia o post antes de comentar :D
P.S.:² Seja sempre respeitoso e educado, ou seu comentário será removido. :B