Tróia do meu jeito... :D

As vezes a gente lê estórias e pensa "poderia ser diferente" e comigo, especialmente, acontece bastante!! Então eu pensei "Posso eu mesma mudar a estória!" e é isso que farei! heheh
Eu gosto muito do mito de Aquiles e da estória de Tróia mas há aqueles fatinhos que me deixa com uma pulga atrás da orelha, incomodada e findo por desistir de ler sobre ou de assistir o filme, então, vamos lá! Talvez você ache que o drama da estória (nossa, tô repetindo muito essa palavra!) seja necessário, mas eu acho que tudo poderia ter sido simplificado.

TRÓIA (por Aczar) - É, tipo uma fanfic.

Naquela época era muito comum a luta pelo poder. Hoje também é, tudo bem, mas hoje é tudo camuflado e naquela época, era LUTA, pra valer. Os países entravam em guerra, todos queriam conquistar todos e serem os donos de tudo (a verdade é que não mudou muita coisa, não é mesmo? Só que agora com a ganancia também temos a falsidade. Tudo só piora) e muitas vezes um país não era forte o suficiente para conquistar determinado país ou terra e por isso o pessoal se aliava. O rei de Esparta era muito ganancioso e por isso resolveu fazer aliança com o rei de Tróia, que era um homem rico, sábio e cheio de bens. Para que o rei de Tróia não tivesse que ir até Esparta, ele mandou seus queridos filhos, Héctor e Paris. Não vou citar nomes de todos por dois motivos: não os lembro ou não são relevantes. heheh Então, quando Paris chegou lá em Esparta ele viu uma mulher muito linda e ficou logo apaixonado por ela. Ele foi para a festa, ficou de olho nela o tempo todo e parecia que até já se conheciam (não duvido). O nome dela era Helena. Paris estava muito apaixonado por ela. Era a mulher mais linda que ele já tinha visto! É, mas ela era a esposa do irmão de rei. Isso foi um empecilho para Paris, não é? NÃO! Ele foi, se deitou com a mulher e ainda a convenceu de fugir para Tróia com ele. Esse negócio ia dar certo? NÃO!


Paris e Helena então se organizaram para fugir, tudo em segredo, apenas os empregados de Paris sabiam. Quando chegaram ao navio, Paris chamou Héctor no cantinho e o levou para o porão do navio para mostrar a joia que ele havia encontrado e que estava levando consigo para Tróia. Quando Héctor viu Helena, soube que tudo daria errado. A aliança entre Tróia e Esparta havia sido destruída exatamente ali e Parisinho estava disposto a lutar por Helena. O problema é que Parisinho era um filhinho do papai que não sabia nada, só roubar a mulher dos outros!
Há pessoas que vêem beleza nesse romance. Eu vejo safadeza. Tudo bem que Helena não amava o seu esposo, e que ele a tratava mal, mas nada, eu disse NADA dava o direito a Paris de tomar a mulher do outro. Foi um ato inconsequente que geraria consequências drásticas para seu país e riscos graves para sua família. Héctor queria ter voltado para Esparta e ter entregue Helena de volta, mas o seu irmão dizia que a amava e ela dizia o mesmo então... ele assumiu os riscos e partiu para Tróia, já se preparando para a guerra que teria pela frente. Héctor tinha uma linda esposa e um filhinho, que não tinham nada a ver com a história, mas que estavam em risco agora.
Quando eles chegaram em Tróia, Héctor já havia organizados a segurança da cidade e preparados os seus soldados para uma possível guerra; enquanto isso, em Esparta, o rei reunia forças (sim, o reino estava frágil desde que Aquiles, o maior e mais forte guerreiro havia decidido seguir sua vida fora do exército e das ordens insanas do rei que não passava de um egoísta) e fazia de tudo para convencer a Aquiles para acompanhá-los em direção à Tróia e assim garantir a vitória.
Aquiles não queria, resistiu, mas resolveu ir. Teve uma conversa com sua mãe e ela deu a ele uns conselhos que marcaram a sua história. "Não vá, filho. Se tu ficares terás uma linda vida; casarás com uma bela mulher e terás filhos. Serás esquecido e não entrarás para a histórias, mas serás feliz. Contudo, se tu fores, serás glorioso, lembrado para sempre em toda a história e citado em todos os livros que falarem sobre essa guerra. Serás um mito, contudo morrerás". Aquiles não acreditou naquilo, apesar de sua mãe ter sempre razão, ele quis ir para a guerra na esperança de realmente ser lembrado para sempre, mas sem perder o desejo de ter também um vida com alguém que amasse ao seu lado. Ele quis arriscar e partiu. E agora, qual será o destino de Esparta? E de Tróia? E principalmente, qual será o destino de Aquiles?

Conto nos próximos capítulos. :D


0 comentários:

Deixe seu comentário

Deixe aqui seu comentário! o/

P.S.:¹ Leia o post antes de comentar :D
P.S.:² Seja sempre respeitoso e educado, ou seu comentário será removido. :B